Consultoria e Formação

CENTRO DE ESTUDOS E FORMAÇÃO DA ASSOCCIAÇÃO NACIONAL DO ENSINO PROFISSIONAL

Criado no Porto em 1996, o Centro de Estudos e Formação da ANESPO (CEFANESPO), tem vindo, desde a sua acreditação por parte do Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua (CCPFC) em 1998, e pelos Serviços Centrais do Ministério da Educação em 1999, a desenvolver inúmeras acções de formação para os Docentes e não Docentes das Escolas Profissionais, tendo em conta as necessidades de formação por estas identificadas, em todo o território continental e na Região Autónoma dos Açores e da Madeira.
Há assim todo um “património construído” que consolida o CEFANESPO enquanto parceiro das Escolas Profissionais e do ensino profissional em Portugal e que, naturalmente, deverá ser continuado e desenvolvido na prossecução de um aprofundamento dessa relação e abrindo novas áreas de actuação e novos rumos para o seu trabalho.

No âmbito desse impulso, o CEFANESPO disponibiliza o seguinte Portfólio de Consultoria e Formação:

  • Levantamento das Necessidades de Formação;
  • Elaboração de Planos de Formação de Escola;
  • Organização e Acompanhamento de Cursos de Formação;
  • Avaliação do Impacto da Formação.

As Escolas poderão solicitar os serviços de Consultoria e Formação ao CEFANESPO, articulando os diferentes componentes do Portofólio num único Projecto (Projecto Integrado de Consultoria e Formação), ou considerar separadamente cada um deles.


LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO
E ELABORAÇÃO DE PLANO DE FORMAÇÃO

A formação contínua dos recursos humanos de uma organização é hoje, num mundo cada vez mais competitivo e globalizado, um elemento essencial no desenvolvimento, eficiência e eficácia dessa organização.

Também na Escola a formação dos seus recursos humanos assume importância capital na prossecução dos seus objectivos, nomeadamente na educação e formação dos jovens no quadro dos objectivos europeus estabelecidos na Estratégia de Lisboa. A formação de professores e pessoal não docente, qualquer que seja o modelo e/ou as estratégias a considerar, deve ter sempre como objectivo fundamental a MELHORIA DA PRÁTICA EDUCATIVA NA ESCOLA.

Naturalmente que muitos caminhos (modelos) podem ser seguidos no âmbito dessa formação. Modelos em que se estabelece uma oferta externa de formação a que os formandos aderem a título individual e voluntário ou modelos que se centram sobretudo na escola e nas suas necessidades e em que a formação decorre dos seus objectivos, articulando-os com as necessidades específicas de formação dos recursos humanos.

Considerando que a formação dos recursos humanos deve ser entendida, entre outras, como uma estratégia de gestão (recursos humanos, curricular, pedagógica, científica, …) defendemos um modelo de formação de recursos humanos nas escolas, apoiado numa estratégia articulada entre as necessidades de formação individual/profissional com as necessidades de formação detectadas na escola, a partir da análise e reflexão relativamente ao seu projecto educativo (explícito ou implícito). Nesse sentido, a detecção de necessidades é a chave para o desenvolvimento com sucesso de qualquer processo de formação.
A ANESPO, através do CEFANESPO, disponibiliza às escolas interessadas uma equipa técnica especializada para o desenvolvimento de um processo de Consultoria no âmbito do levantamento de necessidades de formação dos recursos humanos das escolas e na consequente elaboração do plano de formação da escola.
Posteriormente, o CEFANESPO poderá, face às solicitações das escolas, organizar todo o processo de operacionalização do referido Plano de Formação, disponibilizando a formação necessária ministrada por formadores acreditados.
Foram já realizados alguns Projectos de Consultoria no quadro apresentado dos quais estão em execução os Planos de Formação, respectivamente, da Escola Profissional MAGESTIL, em Lisboa e da Fundação Escola Profissional de SETÚBAL.
Esquematicamente o Projecto Global de Consultoria e Formação pode ser representado tal como mostra a figura seguinte:   

Projecto Integrado de Consultoria e Formação
ANESPO


FORMAÇÃO

No âmbito da (re)orientação da Formação do CEFANESPO para os recursos humanos das escolas profissionais, nomeadamente no que se refere à formação auto-financiada, julgamos poder caracterizar essa vertente de formação a disponibilizar às escolas, do seguinte modo:

  1. Aspectos organizacionais:
  • Formação de curta duração – As acções com duração de 15 horas de formação presencial. As actividades não presenciais propostas na formação serão consideradas como inseridas no trabalho autónomo do formando.
  • Formação em grupos reduzidos – Máximo de 15 formandos.
  • Formação composta por três níveis de aprofundamento / especialização:  Nível 1 – generalista; Nível 2 – especifica; Nível 3 – especializada.
  • Destinatários – Directores, Direcção Pedagógica, Pessoal Docente e Pessoal não Docente.
  • Formadores locais (sempre que possível).
  • Financiamento pela(s) escola(s) e/ou formando(s) envolvido(s).
  1. Níveis de Formação.

NÍVEL 1 - Generalista

As acções deste nível de aprofundamento/especialização integra a:

  • Formação genérica de índole educativa, pedagógica e social.
  • Formação generalista de carácter funcional.
  • Formação inicial na área das TIC.

NÍVEL 2 - Específica.

As acções deste nível de aprofundamento/especialização integra a:

  • Formação específica de carácter cientifico.
  • Formação especifica de carácter funcional.
  • Formação de índole organizacional ao nível das estruturas intermédias da escola.
  • Formação no âmbito da organização e gestão do currículo.
  • Formação no âmbito da avaliação e acompanhamento dos alunos no processo de ensino e da aprendizagem.
  • Formação no âmbito do acompanhamento do aluno no processo de aprendizagem.
  • Formação de nível intermédio na área das TIC.

NÍVEL 3 - Especializada.

As acções deste nível de aprofundamento/especialização integra a:

  • Formação especializada de carácter técnico e científico.
  • Formação especializada na área da gestão e administração escolar.
  • Formação especializada de índole administrativa e financeiro.
  • Formação especializada de carácter Júridico-administrativo.
  • Formação especializada na área das TIC.
  1. Acções de Formação

As acções de formação integram-se em quatro grandes domínios de formação: i) CIÊNCIAS DA ESPECIALIDADE; ii) CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO; iii) PRÁTICA E INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA E DIDÁCTICA e iv) FORMAÇÃO PESSOAL E DEONTOLÓGICA.

As acções de formação são as seguintes:

CIÊNCIAS DA ESPECIALIDADE

  • “As TIC nos processos de ensino/aprendizagem – Introdução à utilização de uma plataforma de e-learning”
  • “As TIC nos processos de ensino/aprendizagem – Aprofundamento na utilização de uma plataforma de e-learning”
  • “Tecnologias Básicas de TV.”
  • “Ambiente e Cidadania – uma estratégia para a sustentabilidade.”

CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

  • “A Aprendizagem por Competências e a Implementação de um Programa Intencional de Valorização Pessoal, Emocional e Social dos Alunos”
  • “O Orientador Educativo de Turma/Director de Turma como Gestor Curricular”
  • “A Construção de Materiais de Apoio Pedagógico”
  • “A Inserção Profissional como opção estratégica no desenvolvimento curricular dos Cursos Profissionais”
  • “Dinâmicas sócio-educativas para a orientação e criação do emprego”
  • “Modalidades de Formação em Contexto de Trabalho”
  • “Organização e dinâmica dos Sistemas Educativos”
  • “Avaliação das Aprendizagens”
  • “Criação de Instrumentos de Avaliação na Estrutura Modular”
  • “Organização Pedagógica da Escola”
  • “Engenharia e Gestão da Formação”
  • “Novos Desafios Pedagógicos: O Papel do Professor na Empresa Simulada de Aprendizagem”
  • “A Qualidade e Eficácia nas Escolas – Uma prioridade e uma exigência de análise de práticas de formação no ensino profissional”

PRÁTICA E INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA E DIDÁCTICA

  • “A Investigação-Acção no Ensino da Matemática”
  • “O Papel do professor no acompanhamento da construção da Prova de Aptidão Profissional”
  • “Organização e Gestão do Currículo, factor de promoção do sucesso educativo escolar nas Escolas Profissionais (os Projectos Curriculares de Turma)”
  • “A Aprendizagem por Competências e o Favorecimento da Inserção Socioprofissional dos Alunos”
  • “Projecto Educativo no contexto de uma escola com Autonomia”
  • “A avaliação num Projecto Educativo de qualidade”
  • “ Projecto Educativo. Actores e Intervenientes”
  • “A auto-regulação e pilotagem como medida de acção na (re)formulação do projecto educativo”
  • “Os adolescentes de hoje - Compreendê-los para saber lidar com eles”
  • “Projecto Curricular de Turma”
  • “Organização e Gestão Curricular, uma animação estratégica”
  • ” Microcontroladores 8051 – Constituição, Características e Aplicações”
  • “Inovação nas Escolas Profissionais: Experiências, práticas e Projectos”
  • “Criação de Páginas para a Internet – a ferramenta de divulgação pedagógica no Séc. XXI”

FORMAÇÃO PESSOAL E DEONTOLÓGICA.

  • “Liderança”
  • “Relação Pedagógica, numa perspectiva sociológica”
  • “A indisciplina na Escola, o que fazem eles, o que devemos nós fazer”
  • “O jovem, a família e a escola. Resolução de conflitos”
  • “Competências profissionais e resolução de conflitos”
  • “Relações Pedagógicas e Relações Humanas. Atendimento”
  • “Educação e Ética – Aprender a Cidadania”
  •  “TRANSVERSALIDADE DA EDUCAÇÃO CÍVICA. Algumas pistas de trabalho com os alunos.”
  •  “Gestão Estratégica de Recursos Humanos”
  •  “Comunicação: Internet e Correio Electrónico.”
  • “A Importância da Comunicação nas Relações Interpessoais”
  • “Higiene e Segurança Alimentar.”
  • “Gestão de Conflitos interpessoais”

CUSTOS DOS SERVIÇOS DE CONSULTORIA E FORMAÇÃO

Os custos dos serviços de Consultoria e Formação do CEFANESPO serão apresentados através de Orçamento, de acordo com o solicitado pela escola ou agrupamento de escolas;

Os custos do Projecto Integrado de Consultoria e Formação (PICF) englobando os serviços de i) Levantamento das Necessidades de Formação;
ii) Elaboração de Planos de Formação;
iii) Organização e Acompanhamento de Cursos de Formação
iv) Avaliação do Impacto da Formação, será objecto da apresentação de Orçamento Específico;

Os custos das acções de formação são os seguintes:

Acções b)

Custo (Euros) a)

Nível 1

600

Nível 2

700

Nível 3

800

- Acresce ao custo referido, os encargos com a deslocação e alojamento do formador.
- Os formadores indicados nas acções de formação podem ser substituídos, por conveniência geográfica ou outras situações imponderáveis.

Para além das acções apresentadas, outras podem ser solicitadas ao CEFANESPO. Os interessados poderão solicitar qualquer acção que desejem, sendo da responsabilidade do CEFANESPO a sua organização e operacionalização, após consulta prévia (relativamente aos conteúdos e organização) à entidade que a solicitou.